Site oficial de Aníbal Reis Costa

anibalreiscosta2@gmail.com

Expresso - Multimédia

Expresso - Multimédia
Expresso
  1. Desesperados. Mortos. Esquecidos
    Naquela noite a chuva trouxe desespero. E desesperou. Naquela noite a chuva veio para matar. E matou. Muito. Depois daquela noite a ditadura quis silenciar. E silenciou. Foi a maior catástrofe natural da História do país desde o terramoto de 1755, mas é uma tragédia praticamente apagada da memória coletiva. E há até quem não faça ideia do que aconteceu. Novembro de 1967, novembro de 2017: continuamos sem saber ao certo quantos morreram. Foram centenas, quase todos muito pobres. Só os que lá estiveram sabem como se viveu naquelas horas. E dão a cara. Ainda em lágrimas. Estivemos 50 anos sem saber deles. Este é um documento em nome dos esquecidos
  2. “Estamos aqui para formar animais de combate”: oito meses dentro dos Comandos
    Aprendem a sobreviver e a matar silenciosamente, a superar os limites da força humana e da dor, mas também a lidar com as situações mais violentas e incontroláveis. No mês em que se assinala um ano da morte de Hugo Abreu e Dylan da Silva na “prova zero” dos Comandos, o Expresso mostra-lhe um olhar inédito e exclusivo do curso 127. São oito meses de reportagem, desde o primeiro dia de recruta até à boina vermelha. Esta é a história impressionante e nunca contada sobre o curso dos Comandos
  3. Ninguém sabe explicar muito bem o que está a acontecer na Antártida: os mistérios do gelo
    Três vezes maior do que a União Europeia, a Antártida é em muitos aspetos ainda uma incógnita. Ao contrário do que acontecia no Ártico, tem sempre havido um ligeiro aumento da extensão de gelo marinho. Até que 2016 veio e trouxe um facto alarmante, agravado pelo icebergue histórico que se soltou já este ano. “A redução drástica agora notada é anómala e pode significar o início do aquecimento da Antártida. Pode ser um sinal de que o gigante está a acordar. Mas isso só o saberemos daqui a uns anos”
  4. Uppgivenhetssyndrom
    Os imigrantes mais jovens na Suécia sofrem hoje uma terrível ameaça silenciosa. A ausência de uma decisão sobre os seus pedidos de asilo e a impossibilidade de se reunirem com as famílias condenam centenas de crianças refugiadas a um estado de apatia extrema: chamam-lhe “Uppgivenhetssyndrom”, em que os pacientes parecem ter perdido a vontade de viver. A doença, semelhante a um estado de coma, só parece verificar-se na Suécia e entre refugiados. Estivemos lá e observámos os esforços da sociedade civil para acudir os menores desacompanhados - e não só - que fogem do horror
  5. Anabela, a mulher que arranca monstros do barro
    Uma mulher e a doença que a condiciona. Um interior selvagem moldado em barro e monstros domesticados por dedos impulsivos. Arte bruta com assinatura, concebida por uma anónima que ganha rosto e identidade através das suas obras ao moldar a lama que traz da infância. Memórias de dor equilibradas entre o mercado da arte e o objetivo terapêutico. Anabela, a mulher que arranca monstros do barro